Informa-se que, por motivos de ordem técnica, o contacto telefónico da delegação do Montijo (Tel.: 212 307 900) não se encontra disponível. Assim, qualquer contacto com esta delegação deverá ser efetuado através do Tel.: 216 042 890. Obrigado.

Consulte em anexo o Diploma ( Portaria N.º 57-C/2015 – Diário da República N.º 41/2015, 3º Suplemento, Série I de 2015-02-27) com as vagas de QZP a preencher de acordo com o previsto e regulado no Decreto-Lei n.º 83-A/2014 de 23 de maio, bem como as vagas de QA/QAE disponíveis para o Concurso Interno e Externo. 

Na reunião ontem (25/02/2015) ocorrida na DGAE, poucas foram as informações adiantadas sobre os procedimentos concursais previstos para o corrente ano, destacando-se a ausência de qualquer menção à sua calendarização.
Conforme em reunião anterior afirmado, não haverá lugar às aspiradas  alterações legislativas de fundo, mantendo-se a essência do Decreto-Lei n.º 83-A/2014 de 23 maio, perpetuando-se as injustiças advindas das prioridades e das renovações dos docentes contratados, que desrespeitam aquele que será o menos injusto critério concursal: a graduação profissional.
Recordando que a DGAE é um órgão administrativo, não sendo assim a sede para alterações legislativas, na sua apresentação sobre os concursos, presidida pela Sra. Diretora-Geral, Dra. Maria Luísa Oliveira, com a presença da Sra. Subdiretora, Sra. Eng.ª Suzana Maximiano e do Sr. Diretor de Serviços e Informática, Dr. Francisco Gonçalves, foi dada a interpretação que esta instituição faz do aludido diploma, quer através da projeção de um powerpoint (veja clicando aqui), quer através do esclarecimentos de dúvidas colocadas.

ASPL, FENPROF, SEPLEU, SINAPE, SIPE, SPLIU e SIPPEB pronunciaram-se contra a PACC. Recentemente, o Conselho Científico do IAVE arrasou-a. A Associação de Reflexão e Intervenção na Política Educativa das Escolas Superiores de Educação (ARIPESE) manifestou a sua total discordância. Várias instituições de ensino superior fizeram o mesmo; nenhuma assumiu o contrário. Diferentes especialistas têm vindo a assinalar o despropósito da PACC e os seus efeitos perniciosos. O Provedor de Justiça acusou a ilegalidade da exclusão de professores dos concursos por via da PACC. O Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra reconheceu que a inscrição da PACC no ECD viola princípios constitucionais e, com base neles, declarou ilegal a sua aplicação.

De todo o lado ouvem-se críticas à PACC e às injustiças e ilegalidades que ela já produziu. Sem sentido de Estado, incapaz de ouvir o que não seja a sua própria voz, o ministro insiste numa prova sobre a qual entidades competentes sustentam que nada avalia quanto a capacidades para a docência. Ou seja, apenas lhe serve para

humilhar professores, afrontar a profissão docente e excluir candidatos ao exercício da profissão. Tal sucede, até, à custa de duvidosos critérios de correção das provas, havendo conhecimento de casos em que foram assinalados erros inexistentes.

Basta!
 

No âmbito do Ensino do Inglês no 1º Ciclo do Ensino Básico, a Direção-Geral do Ensino Superior disponibiliza na sua página eletrónica, aqui, os cursos de complemento de formação superior em Ensino de Inglês no 1º Ciclo do Ensino Básico já registados, bem como a lista dos pedidos em apreciação de registo da criação de cursos de complemento de formação para qualificação profissional para a docência no grupo 120.

ASPL, FENPROF, SEPLEU, SINAPE, SIPE, SIPPEB e SPLIU apresentaram a 23 de janeiro, ao final do dia, um pré-aviso de greve a todo o serviço relacionado com a designada prova de avaliação de conhecimentos e capacidades (PACC) que se estende a todo o mês de fevereiro.

Já se encontra disponível (na coluna da direita desta página) para visualização, download e impressão o Boletim Informativo da ASPL nº 68 de dezembro de 2014.

 

O Boletim Informativo da ASPL assume-se como um importante espaço para que os nossos associados tenham acesso a um conjunto de informações mais sistematizadas e que, em parte, retratam alguns dos eventos que ocorreram ao longo deste ano. Como sempre, encontrará nesta edição conteúdos importantes para a sua vida profissional e pessoal.

 

A ASPL deseja a todos um Próspero Ano Novo!

Caros colegas associados da ASPL:
        Nesta quadra natalícia, propícia a renovarmos as nossas esperanças e projetos, quando possível no calor do aconchego familiar e com a força das amizades que fomos construindo, apresento em nome pessoal e em nome da direção da ASPL, os votos de que seja um tempo vivido em solidariedade e partilha, da melhor forma possível, e que o novo ano nos permita a concretização dessas mesmas esperanças e projetos.
        O ano que agora termina não foi nada fácil para ninguém, mas, como bem sabemos, para os professores e educadores, as dificuldades multiplicam-se sempre pelo número de alunos que nos são confiados, pois para educar e ensinar é forçoso a atenção e a consideração pelo ambiente sociofamiliar que cada um carrega consigo. E se a este nível tudo se tem degradado, a nível das condições em que desenvolvemos a nossa atividade profissional, infelizmente nada melhora, bem pelo contrário! Os horários de trabalho estão cada vez mais sobrecarregados, sobretudo devido aos cortes orçamentais que impedem a contratação de mais docentes que são absolutamente necessários; as tarefas, designadamente na elaboração/preenchimento de documentos, que nos exigem são cada vez em maior número, muitas vezes sem que se compreenda a sua utilidade ou sentido; as perspetivas de desenvolvimento da carreira estão há muito completamente truncadas, sem que possa haver qualquer melhoria ou mesmo retorno aos níveis salariais anteriores a 2011...
        O desastroso arranque deste ano letivo 2014/2015 foi a gota d' água que fez transbordar a total incompetência e insensibilidade da equipa que tutela a área da educação face à dura realidade vivida quotidianamente nas nossas escolas, sobretudo pelos seus principais agentes: os alunos e os professores/educadores. O mais revoltante é sabermos que tais erros e suas nefastas consequências, podiam e deviam ter sido evitados, pois que nós, como professores e dirigentes sindicais responsáveis e atentos às propostas governamentais, alertamos muito atempadamente os responsáveis destas políticas absurdas e profundamente nocivas.
        Leia mensagem na íntegra
 
        

Exigimos respeito!
A Plataforma Sindical dos Professores preparou um questionário que pretende que os professores, na posse de informação atualizada, intervenham analisando a situação e propondo caminhos para o protesto e a exigência.
Esta iniciativa foi anunciada no final do desfile realizado em Lisboa em 5 de Outubro, Dia Mundial dos Professores.
Caso pretenda dar a tua opinião, responda às questões que aqui colocamos!

clicar aqui para aceder ao questionário